EagleBurgmann do Brasil inaugura nova unidade no Chile

Campinas, 11 de Julho de 2013 – A EagleBurgmann do Brasil, empresa do Grupo Freudenberg especializada em soluções de vedação para equipamentos rotativos, anuncia a abertura de um Centro de Serviços no Chile, que deve iniciar as operações em dezembro deste ano. A companhia, que possui um escritório comercial em Santiago há dois anos, informa ainda que vai transferir o escritório comercial para a nova unidade, na região metropolitana da capital chilena. Segundo o diretor geral da empresa na América do Sul, Benito De Domenico Jr., o novo Centro de Serviços dará suporte para as indústrias que atuam nos mercados chileno, boliviano e peruano, sobretudo dos setores de petróleo e gás, mineração, celulose e energia, além de apoiar o plano de ampliação do market share na região.

Para os seus clientes, a EagleBurgmann fornece desenvolve, produz e fornece selos mecânicos e acessórios e, com o novo Centro de Serviços, a empresa melhora ainda mais o atendimento consultivo aos clientes à medida que oferece o aftermarket com especialistas altamente capacitados e próximo das instalações das indústrias que atende. “A consultoria na fase de projeto e no aftermarket é um dos nossos diferenciais de atendimento, que completam um portfólio de soluções que dispõem de inovação e alta tecnologia aplicada para atender os maiores desafios das indústrias em termos de vedação”, ressalta De Domenico.

 

Crescimento na América do Sul
Além do Brasil e Chile, a Argentina é outro país onde a EagleBurgmann está presente com equipe e Centro de Serviços. Na região, a empresa tem obtido excelentes resultados no que diz respeito ao crescimento e à ampliação do market share. No ano passado, por exemplo, De Domenico informa uma alta superior a 30% sobre o ano anterior, um resultado bastante superior á evolução projetada, que era de 15%.

Para este ano, De Domenico informa que a perspectiva é que o balanço mantenha-se positivo na América do Sul em razão de alguns fatores principais. Entre eles, segundo o executivo, estão o fornecimento de produtos de alta tecnologia para indústrias estratégicas, como a de petróleo e agás e mineração, além de uma série de medidas, como a reestruturação de algumas unidades e Centros de Serviços e investimentos em treinamento da equipe, que contribuíram para tornar a companhia ainda mais eficiente, principalmente no atendimento aos mercados do Brasil, Argentina e Chile. Além disso, ele cita a recuperação do mercado “End user” (“usuários finais”) que, no caso da empresa, é representado por clientes como: Petrobras, Braskem, TAG, YPF, Codelco, CMPC, entre outras.