Cidadania Corporativa

Na Freudenberg, a cidadania corporativa sempre foi parte integrante da liderança corporativa e é praticada tanto dentro quanto fora da empresa. A meta do Grupo é ser um cidadão corporativo responsável em todos os estados, países e comunidades em que possuir negócios, bem como ser reconhecido como um bom vizinho. Para a Freudenberg, a cidadania corporativa vai além da cadeia de valor – com várias centenas de projetos em diversas plantas.

  • Para fortalecer sua cidadania corporativa, a Freudenberg lançou o programa internacional “e²” (educação e meio ambiente) em 2015. O objetivo é dar às pessoas acesso à educação e ao trabalho, bem como incentivar a proteção ambiental. O e² complementa iniciativas existentes baseadas em um catálogo de critérios específicos. Por um período de 6 anos, a Freudenberg está disponibilizando fundos que totalizam 12 milhões de euros.
  • O Grupo Freudenberg apoia inúmeros projetos para a integração de refugiados no escopo de uma iniciativa realizada em toda a companhia, contribuindo, para isso, com doações no valor de 2,6 milhões de euros. Até o fim de 2016, a empresa incentivou mais de 70 iniciativas diferentes na Alemanha e nas regiões em crise, apoiando, neste caso, principalmente as crianças e os adolescentes e realizando a intermediação de conhecimentos de idiomas. Para poder permitir que os refugiados tenham acesso ao mercado de trabalho, a Freudenberg disponibilizou aproximadamente 15 vagas para formação profissional. Os meios financeiros restantes serão utilizados exclusivamente para esta finalidade.

Os dois exemplos a seguir demonstram a natureza de longo prazo dos projetos locais:

  • Desde 2009, a Freudenberg vem oferecendo a jovens a oportunidade de realizar cursos duplos para qualificação como técnicos em soldagem, encanadores, eletricistas, mecânicos de motores ou operadores de máquinas em um centro de treinamento, em Nagapattinam, sem fins lucrativos, no estado indiano de Tamil Nadu, ao sul de Chennai. Até agora, cerca de 400 jovens desenvolveram carreiras de sucesso desde que o centro foi fundado. A região de Nagapattinam, com uma população composta principalmente por agricultores de baixa renda e pescadores, foi severamente atingida pelo tsunami em 2004.
  • Uma escola de ensino fundamental foi reconstruída com a ajuda da Freudenberg e aberta em 2009, em Haijin, uma vila na província de Sichuan, na China, atingida por um terremoto em maio de 2008. Os colaboradores da Freudenberg visitam a escola anualmente e organizam várias atividades, tais como o projeto do curso de verão, aulas complementares e uma festa de Natal. Um novo salão multifuncional foi inaugurado em julho de 2016.

Todos os projetos se concentram principalmente em crianças e jovens, bem como em sua integração social, linguística, educacional e vocacional.