Novo lubrificante da Klüber Lubrication traz mais segurança para a indústria alimentícia

A Klüber Lubrication, empresa do Grupo Freudenberg que desenvolve soluções para lubrificação industrial e graxas e óleos para vários segmentos, acaba de lançar o Klüberfood NH1 CH 6-120 SUPREME, um lubrificante de alto desempenho para uso na indústria alimentícia, para aplicações em correntes transportadoras ou fornos de cozinha, por exemplo, equipamentos onde as temperaturas são extremamente altas, exigindo produtos de performance superior.

O novo lubrificante apresentado pela empresa atende a esta e outras exigências importantes do mercado de alimentos, uma vez que possui um ótimo comportamento antidesgaste, resistência a temperaturas extremas de até 650ºC, proteção contra a corrosão e excelente penetração, com alta estabilidade de dispersão. Tais características ajudam a aumentar a vida útil das engrenagens e equipamentos e a confiabilidade dos processos de produção, como pães, tortilhas ou pizzas. Além da indústria alimentícia, o Klüberfood NH1 CH 6-120 SUPREME pode ser utilizado nas indústrias de processamento de cosméticos, produtos farmacêuticos ou ração animal.

De acordo com Roberto Pecchia, gerente para o mercado de alimentos, "os óleos lubrificantes têm um papel importante quando se fala em segurança alimentar. É por isso que nós desenvolvemos produtos que estejam de acordo com as normas e ainda possam trazer benefícios a quem os utiliza". A Freudenberg investe em melhorias constantes nas fábricas, sendo, inclusive, o laboratório da Klüber Lubrication no Brasil considerado referência entre as empresas do Grupo, por sua alta tecnologia no desenvolvimento de novos produtos.

Tanto o registro H1 como a certificação IS0 21469, os quais a empresa possui, garantem que a utilização do produto é segura para uso na indústria alimentícia. "O Klüberfood NH1 CH 6-120 SUPREME contém lubrificantes sólidos brancos com registro H1 em vez de grafite preto. Isso resulta em maior segurança alimentar, dado que a contaminação com partículas pretas é evitada, e em maiores períodos de relubrificação, por conta do efeito de impregnação do lubrificante sólido", completa Pecchia.