EagleBurgmann do Brasil fornece vedação para as bombas de oleoduto no Equador

A EagleBurgmann do Brasil, especializada em soluções de vedação para diversas indústrias, foi selecionada para fornecer 85 selos mecânicos, entre eles 33 sobressalentes e 13 termosifões plano API 52 para as bombas do projeto da PetroEcuador, "Pascuales to Cuenca Pipeline", no Equador. Trata-se de um oleoduto multiprodutos com um total de 210 km para transporte de gasolina e diesel a partir do Terminal Pascuales, e de GLP (gás de petróleo liquefeito) a partir do Terminal El Chorrillo à cidade de Cuenca. "É um projeto complexo, que eliminará a necessidade do transporte terrestre de diesel e gasolina por caminhões-tanque e que auxiliará a melhorar de forma significativa a segurança do transporte destes fluidos, além da reduzir os riscos de contaminação ambiental", conta o diretor geral da empresa, Benito De Domenico Jr.

 

Integração global para atender os desafios da indústria

As soluções de vedação da EagleBurgmann para o "Projeto Pascuales to Cuenca Pipeline" serão instaladas em bombas da ITT do Brasil. No processo de desenvolvimento, a subsidiária brasileira ressalta o suporte da equipe de projetos internacionais da companhia para proporcionar soluções técnicas alinhadas tanto entre as sucursais como junto aos clientes finais com objetivo de prover um atendimento otimizado aos fabricantes de equipamentos.

Neste caso, o fato de o engenheiro de aplicações Francisco Marquez, da EagleBurgmann Venezuela, estar alocado no cliente, a PetroEcuador, supriu a EagleBurgmann do Brasil com todo o alinhamento técnico do projeto e com as questões comerciais e peculiaridades do cliente final. "Nosso apoio técnico aos clientes facilita o processo de tirar dúvidas dos fabricantes de equipamentos de forma eficiente e segura", ressalta De Domenico.

 

Expansão dos negócios na América do Sul

O fornecimento dos selos mecânicos para o projeto equatoriano faz parte da estratégia da EagleBurgmann de expandir os negócios na América do Sul para ampliar sua participação no mercado e para minimizar os impactos do cenário econômico atual do setor no Brasil, onde a empresa possui fábrica. "Como os setores químico e petroquímico devem ser afetados pelo cenário econômico, os fabricantes de bombas e outros equipamentos vêm tentando ampliar seus horizontes e dedicar maior foco dos negócios em projetos internacionais. A EagleBurgmann do Brasil tem acompanhado de perto esta tendência e colhido bons frutos devido à sólida estrutura de engenharia de aplicações e projetos internacionais da companhia em âmbito global", reforça De Domenico.